Skip to main content

A remoção de restauração em amálgama pode expor a materiais contaminantes?

Há uma preocupação disseminada recentemente com relação ao uso de amálgama e metais em tratamentos odontológicos, que inclusive fez surgir uma corrente chamada Odontologia Biológica ou Odontologia Integrativa, que defende conceitos de usar componentes não metálicos e determinados componentes em tratamentos dentários.

A propagação dessa corrente tem feito aumentar o número de pessoas que vão ao consultório muito preocupadas querendo avaliar a possibilidade de retirar esses materiais metálicos antigos da boca, principalmente restaurações de amálgama.

Alinhada a esta vertente, estão os pacientes que preferem tratamentos sem metais. Para isto, existem os novos tratamentos como os implantes dentarios branco, o chamado implante cerâmico, além da coroa zircônia pura e coroa de porcelana pura. Para prótese protocolo, também há a opção de material Zirconia Pura, que trata-se de uma prótese sem metal, com alta resistência e estética superior. Todos estes materiais são oferecidos na Clinica Dentaria Implart.

É perigoso fazer obturação com metal (amálgama)?

A preocupação com a restauração com metal se dá pelo fato de que a amálgama contém mercúrio, um metal pesado. Mas isso não representa perigo iminente. Em geral, o mercúrio na forma elementar ou orgânica realmente oferece riscos contaminantes à saúde e ao meio ambiente. Entretanto, o mercúrio presente em restaurações dentárias, em geral, está na forma inorgânica, uma versão mais segura e com pouca liberação tóxica para o organismo.

Ainda assim, os procedimentos de aplicação e principalmente de retirada são considerados os momentos em que há mais risco de contato com mercúrio, ainda mais em procedimentos de retirada restaurações de amálgama muito antigas.

Há risco de contaminação durante o procedimento de remoção de amálgama?

Durante o procedimento para remoção de restaurações antigas em amálgama, o cirurgião dentista utiliza de recursos para minimizar os riscos de inalação e contato com vapores de mercúrio, tanto o profissional, quanto o paciente. Algumas medidas de segurança são: uso de irrigação, sugador, lençol de borracha para isolamento e demais EPIs. Estudos comprovam que, tomando essas precauções, a filtração de vapores de mercúrio chega a 95%. Os instrumentais e equipamentos utilizados pelos dentistas, há décadas, tem se mostrado suficientes e seguros para proteção, tanto do profissional, como do paciente.

Portanto, de acordo com estudos, as restaurações de amálgama não são grandes causadores de intoxicação ou danos à saúde, e por isso não devem ser removidas apenas como medida preventiva de contaminação. Se houver a necessidade de remoção, o cirurgião dentista lançará mão de métodos para prevenção de contaminação.

Restauração de amálgama x restauração cerâmica

Por que o uso de restaurações metálicas está praticamente fora de uso?

Além da preocupação com potenciais riscos à saúde e a natureza, o uso de amálgama em odontologia já é uma técnica praticamente abandonada, principalmente porque hoje temos opções muito mais estéticas que ao mesmo tempo são resistentes.

Restaurações estética são aquelas que reproduzem as características naturais dos dentes, principalmente a tonalidade. As amálgamas são materiais metálicos e contrastantes com os dentes, mas as restaurações de resina e cerâmicas acompanha a tonalidade do dente.

As restaurações em resina podem ser aplicadas e moldadas diretamente no dente ou fabricadas em impressoras 3D para posterior aplicação. Têm como vantagens o baixo custo e a estética, pois dispomos de uma série de tonalidades que atendem qualquer cor de dente. A desvantagem da restauração em resina é que ela pode manchar com o tempo.

Já as restaurações de cerâmicas são indiretas, ou seja, fabricadas e depois aplicadas no dente. Têm como vantagens a alta resistência a manchas e o método de fabricação computadorizada. A restauração é planejada em software e produzida em impressoras 3D. Este método permite a fabricação de peças de forma mais rápida e precisa. Elas são chamadas de Onlay em Porcelana.

Em caso de dúvidas, entre em contato conosco. Nós, da Clínica Odontológica Implart estamos à disposição para atender voce!

Existe o uso de células-tronco em Odontologia?

Nos últimos tivemos um grande avanço da tecnologia em terapias avançadas, em especial o uso de células-tronco com resultados promissores

A Clinica dentaria ImplArt está sempre atualizada nas técnicas modernas e acompanhando os avanços na área da Odontologia. O Conselho Federal de Odontologia, que é a entidade que regula a atividade Odontológica está acompanhando esses avanços das pesquisas de células-tronco. Entretanto, ainda estamos em fase de pesquisas.

De acordo com o artigo 8º da Resolução CFO-157 do Conselho Federal de Odontologia, a utilização de células humanas, incluindo células-tronco e seus derivados, em procedimentos clínicos em desacordo com a legislação, bem como o oferecimento de procedimento odontológico sem o devido reconhecimento científico e terapêutico pelos órgãos competentes, configura infração ética.

Entretanto, a resolução CFO-158, da mesma entidade, regulamenta o uso de agregados plaquetários autólogos (plasma rico em plaquetas e fibrina rica em plaquetas). Apesar de não fazer parte do mesmo conceito de terapias com uso de células-tronco, traz grandes benefícios em procedimentos odontológicos, principalmente os cirúrgicos. Vamos entender melhor a seguir.

O que são agregados plaquetários autólogos e quais os benefícios para a Odontologia?

Os agregados plaquetários podem ser definidos como o Plasma Rico em Plaquetas (PRP) e a Fibrina Rica em Plaquetas (PRF). São frações do sangue que contém componentes plaquetários. A regulamentação do CFO permite a manipulação de agregados plaquetários apenas para uso autólogo, ou seja, quando se utiliza os componentes do sangue do próprio paciente no qual foi feita a coleta. Portanto, sem fins transfusionais.

O dentista realiza a punção venosa, que é a retirada de sangue do paciente e coloca em uma centrífuga para separação mecânica de agregados plaquetários autólogos. A parte plaquetária fica com uma consistência gelatinosa para ser aplicado no local cirúrgico. Tanto o plasma rico em plaquetas (PRP), quanto o plasma rico em fibrinas (PRF) são úteis em procedimentos cirúrgicos, especialmente em cirurgias de enxerto ósseo.

O PRP é, por exemplo, utilizado para acelerar o processo cicatricial de cirurgias. Ele possui componentes chamados fatores de crescimento, que naturalmente fazem parte do processo de cicatrização de feridas e regeneração de tecidos no corpo humano. A diferença, é que no PRP a concentração de plaquetas é muito mais alta e dessa maneira pode ser aplicada diretamente no local da cirurgia para acelerar a cicatrização.

O PRF também é obtido via centrifugação do sangue, porém este concentra leucócitos e plaquetas, fibrina e células-tronco. Esse concentrado é moldado no local cirúrgico, especialmente em enxertos ósseos, liberando fatores de crescimento para acelerar a cicatrização e estimular a regeneração tecidual, principalmente na regeneração óssea em enxertos.

Com relação a substituição de um dente perdido, enquanto as pesquisas com células tronco continuam a avançar, a melhor alternativa continua sendo o implante dentario. Os implantes dentarios são alternativas excelentes e seguras para ocupar o lugar da perda dentaria.

Se você ficou com alguma dúvida sobre cirurgias odontológicas de enxerto ósseo e implantes dentarios, células-tronco em Odontologia, entre em contato com a nossa equipe o agende uma consulta pelo whatsapp da Clínica Odontológica ImplArt.