Tag: medicamentos

Fatores de risco para periodontite

A periodontite é a principal causa de perda de dentes em adultos

A periodontite é uma doença crônica de origem bacteriana que manifesta uma série de condições inflamatórias que afetam os tecidos gengival e ósseo que torno dos dentes. É a principal causa de perda dentária, principalmente em adultos.

As bactérias presentes na placa que se acumula na superfície dentária são responsáveis pela inflamação dos tecidos. Inicialmente causam inflamação das gengivas (gengivite). Em casos moderados surgem bolsas periodontais, que é quando a gengiva perde aderência e adquire o formato de bolsa.

As bolsas periodontais abrem espaço para atividade bacteriana na região abaixo da gengiva causando inflamação assim como deterioração dos tecidos de sustentação dos dentes (cemento, ligamento periodontal e osso).

Essa condição quase sempre leva à mobilidade e perda dos dentes. Existem alguns fatores de risco para o surgimento e agravamentos dessas doenças, por exemplo:

Acúmulo de placa bacteriana e tártaro piora a periodontite

A placa bacteriana é um filme viscoso e transparente que se forma nos dentes, próximo à linha da gengiva. As toxinas liberadas pelas bactérias inflamam e irritam a gengiva, que pode ficar vermelha e sangrar. O tártaro é quando essa placa se torna endurecida (cálculo de cor amarelado ou esbranquiçado) e só pode ser removida por profissional. Quando a gengiva fica frouxa, expõe a raiz e poderá haver acúmulo de cálculo nessa região. A atividade bacteriana nessa região leva a deterioração gradual do osso em torno do dente.

Medicamentos

Alguns medicamentos podem interferir na saúde bucal e favorecer o surgimento de doença periodontal ou dificultar a sua cura. As principais classes desses medicamentos são: anticoncepcionais, antidepressivos, anticonvulsivos, anti-hipertensivo, alguns utilizados para tratamentos de problemas cardiovasculares e medicamentos para evitar rejeição de órgãos em transplantados. É importante que o paciente comunique ao dentista qualquer medicamento que esteja tomando.

Baixa imunidade

O paciente nessa condição, na maioria dos casos em decorrência da AIDS ou da quimioterapia, tem mais dificuldade de responder a processos infecciosos e dessa maneira são mais suscetível ao avanço da doença periodontal.

Diabetes e periodontite

O diabetes pode causar dificuldade de cicatrização, alterações da circulação sanguínea e a queda da imunidade. O paciente diabético tem mais chance de sofrer com periodontite do que o não portador da doença.

Saiba mais sobre substituição de dentes com doença periodontal por implantes

Maus hábitos e condições funcionais

Fumo – o fumo diminui a vascularização e consequentemente a oxigenação das células. Essa condição dificulta a resposta que o organismo deve ter sobre qualquer foco de infecção. Além disso, dificulta processos cicatriciais e reduz a salivação (fundamental para remover e combater bactérias nos dentes). Leia mais sobre os males do cigarro para os dentes e saúde bucal.

Nutrição deficiente – a falta de ingestão de variados nutrientes, como a vitamina C, pode diminuir a resistência imunológica e favorecer infecções orais.

Higienização oral precária – a correta escovação é a melhor forma de remover resíduos alimentares que eventualmente ficam aderidos aos dentes e gengivas. O acúmulo desses resíduos serve de “alimento” para as bactérias. Alem da correta escovação, é recomendado o uso do fio dental e enxaguantes antissépticos.

Deixar de visitar o consultório odontológico regularmente – as visitas são fundamentais para identificação de problemas em estágio inicial e para realização de limpeza profissional profilática.

Bruxismo – o hábito de ranger e apertar os dentes podem acelerar o processo de destruição das estruturas óssea e gengivais com doença periodontal ativa.

Má oclusão e dentes tortos – condições que podem favorecer o acúmulo de resíduos alimentares nos dentes e dessa forma dificultar a sua remoção.

Causas emocionais

Estresse – O indivíduo estressado pode ter alteração na resposta imunológica diante de quadros infecciosos. A tensão também pode favorecer o bruxismo.

Fatores genéticos

Existem pessoas que tem predisposição genética a ter doença periodontal, ainda que mantenha bons hábitos de higiene oral e visitando regularmente o dentista. É possível fazer um teste para encontrar o marcador genético que influencia a periodontite.

Fatores hormonais

Gravidez – Durante a gravidez há alteração hormonal intensa e o organismo da mulher pode demorar a responder diante de quadros infecciosos. Além disso, existem estudos que demonstram que periodontite podem influenciar num parto prematuro.

Puberdade e menopausa – Como ocorre por exemplo na gravidez, a puberdade e a menopausa são fases de intensas mudanças hormonais que podem deixar o organismo mais suscetível a infecções.

Periodontite deve ser tratada e controlada

Então conheça a ImplArt Odontologia com estrutura e equipe especializada. Agende uma consulta, ficaremos felizes em recebê-lo!

Doença periodontal – causas

A doença periodontal é um conjunto de manifestações inflamatórias causadas por bactérias que acometem os tecidos de suporte dos dentes, e que em casos avançados leva à perda dos dentes. Em suma, a doença periodontal é a principal causa de perda dentária em adultos. A ação bacteriana, nessas estruturas, se inicia pelo acúmulo de placa na superfície dentária.

Porque ocorre a doença gengival

O acúmulo de placa bacteriana ocorre principalmente por higienização oral precária, mal executada ou dificultada pelo formato dos dentes (dentes tortos ou muito juntos) e grandes períodos sem visitas ao consultório odontológico a com a finalidade de realizar tratamentos preventivos.

Em casos iniciais, as toxinas liberadas pelas bactérias inflamam as gengivas, que dessa maneira ficam vermelhas, inchadas e sangram com facilidade. Em casos moderados, a gengiva perde inserção e adquire formato de bolsas, chamadas bolsas periodontais.

Essa condição é muito preocupante, porque quando a gengiva perde aderência ela abre uma porta para atividade bacteriana abaixo da linha gengival, ou seja, poderá haver acumulo de tártaro na superfície da raiz dentária e inflamação do tecido ósseo e todas as estruturas de suporte dos dentes.

Sem o devido controle, a inflamação leva a perda óssea gradativa e os dentes ficam moles, caem ou então precisam ser extraídos. Observe seus dentes e gengivas: algumas condições podem ser sinais de doença periodontal:

  • Placa bacteriana e tártaro aderidos aos dentes, principalmente na linha entre gengiva e dentes. A placa bacteriana é incolor e viscosa. O tártaro é quando a placa acumulada se calcifica e é de cor amarelada ou esbranquiçada;
  • Gengiva inchada, avermelhada ou então que sangra com facilidade na escovação, com o uso do fio dental ou involuntariamente.;
  • Gengiva retraída, flácida ou separada do dente;
  • Sensibilidade dentária;
  • Parte da raiz dentária exposta;
  • Alterações na posição ou mobilidade dos dentes;
  • Queda do dente;

Doença periodontal: causas

Acúmulo de placa bacteriana e tártaro

A placa bacteriana é um filme viscoso e transparente que se forma nos dentes, próximo à linha da gengiva. As toxinas liberadas pelas bactérias inflamam e irritam a gengiva, que pode ficar vermelha e sangrar. O tártaro é quando essa placa se torna endurecida (cálculo de cor amarelado ou esbranquiçado) e só pode ser removida por profissional. Quando a gengiva fica frouxa, expõe a raiz e poderá haver acúmulo de cálculo nessa região. A atividade bacteriana nessa região leva a deterioração gradual do osso em torno do dente.

Medicamentos

Alguns medicamentos podem interferir na saúde bucal e favorecer o surgimento de doença periodontal ou dificultar a sua cura. As principais classes desses medicamentos são: anticoncepcionais, antidepressivos, anticonvulsivos, anti-hipertensivo, alguns utilizados para tratamentos de problemas cardiovasculares e medicamentos para evitar rejeição de órgãos em transplantados. É importante que o paciente comunique ao dentista qualquer medicamento que esteja tomando.

Baixa imunidade

O paciente nessa condição, na maioria dos casos em decorrência da AIDS ou da quimioterapia, tem mais dificuldade de responder a processos infecciosos e é mais suscetível ao avanço da doença periodontal.

Diabetes

O diabetes pode causar dificuldade de cicatrização, alterações da circulação sanguínea e a queda da imunidade. O paciente diabético tem mais chance de sofrer com alguma doença periodontal do que o não portador da doença.

Maus hábitos e condições funcionais

  • Fumo – o fumo diminui a vascularização e consequentemente a oxigenação das células. Essa condição dificulta a resposta que o organismo deve ter sobre qualquer foco de infecção. Além disso, dificulta processos cicatriciais e reduz a salivação (fundamental para remover e combater bactérias nos dentes). Leia mais sobre os males do cigarro para a saúde bucal.
  • Nutrição deficiente – a falta de ingestão de variados nutrientes, como a vitamina C, pode diminuir a resistência imunológica e favorecer infecções orais.
  • Higienização oral precária – a correta escovação é a melhor forma de remover resíduos alimentares que eventualmente ficam aderidos aos dentes e gengivas. O acúmulo desses resíduos serve de “alimento” para as bactérias. Alem da correta escovação, é recomendado o uso do fio dental e enxaguantes antissépticos.
  • Deixar de visitar o consultório odontológico regularmente – as visitas são fundamentais para identificação de problemas em estágio inicial e para realização de limpeza profissional profilática.
  • Bruxismo – o hábito de ranger e apertar os dentes podem acelerar o processo de destruição das estruturas óssea e gengivais com doença periodontal ativa. Leia mais sobre tratamento e controle do bruxismo.
  • Má oclusão e dentes tortos – condições que podem favorecer o acúmulo de resíduos alimentares nos dentes e dificultar a sua remoção.

Causas emocionais

  • Estresse – O indivíduo estressado pode ter alteração na resposta imunológica diante de quadros infecciosos. A tensão também pode favorecer o bruxismo.

Fatores genéticos

Existem pessoas que tem predisposição genética a ter doença periodontal, mesmo mantendo bons hábitos de higiene oral e visitando regularmente o dentista. É possível fazer um teste para encontrar o marcador genético que influencia a doença periodontal.

Fatores hormonais

  • Gravidez – Durante a gravidez há alteração hormonal intensa e o organismo da mulher pode demorar a responder diante de quadros infecciosos. Além disso, existem estudos que demonstram que doença periodontal podem influenciar num parto prematuro.
  • Puberdade e menopausa – Como na gravidez, a puberdade e a menopausa são fases de intensas mudanças hormonais que certamente podem deixar o organismo mais suscetível a infecções.

Como evitar a doença periodontal?

  • Mantenha higiene oral adequada e regular. Dedique mais tempo na escovação. Não esqueça da parte interna. Aas pessoas tendem a não escovar direito as áreas menos visíveis dos dentes e é justamente nessas áreas que a placa bacteriana e o tártaro podem acumular;
  • Visite o dentista regularmente para limpeza profissional profilática (raspagem da placa bacteriana e alisamento da superfície dentaria);
  • Evite o consumo excessivo de açúcar assim como refinados (as bactérias presentes na placa bacteriana se alimentam desses açucares).

Mesmo se você não observar estes sinais, a visita regular ao dentista não deve ser abandonada. O olhar profissional pode identificar problemas a tempo de tratá-los. Cuidados preventivos são certamente muito importantes. Eles evitam problemas no futuro e podem representar economia de tempo e dinheiro para você.

Para que serve a cirurgia plástica gengival?

Cirurgia gengival e recontorno dos dentes com resina composta

A cirurgia plástica gengival é uma opção para as pessoas que não estão satisfeitas com seu sorriso e também com o formato e o tamanho de suas gengivas. Quando muito aparentes, elas influenciam na harmonia do sorriso e na autoestima de algumas pessoas. A estética gengival influi no sorriso através de suas relações com os dentes, cor e espessura das gengivas. Com este procedimento é possível corrigir as deformações gengivais através da remoção de excessos e a reconstrução de áreas que possuem pouca gengiva utilizando enxertos de gengiva. A cirurgia é simples, feita com anestesia local e realizada no consultório do dentista.

Como é feito o enxerto gengival?

De uma forma geral o tecido gengival é retirado de outro local da boca como o céu da boca ou atrás dos dentes do siso. Porém hoje também é possível usar um enxerto de gengiva artificial, obtido de tecidos do porco. Após o procedimento, o paciente é orientado como deve realizar a higiene oral nos primeiros dias bem como sobre os medicamentos que deve tomar (normalmente antibióticos, anti-inflamatório e analgésicos).

Também recebe recomendações sobre a alimentação, principalmente para evitar ingerir alimentos com potenciais reações irritativas, como alimentos ácidos, muito salgados e picantes. O período de cicatrização depende de cada caso, mas a reabilitação total interno da gengiva acontece a partir de seis meses. Muitos pacientes recorrem a essa cirurgia devido à desarmonia gengival, que pode estar relacionada com o excesso ou a falta de gengiva.

O crescimento pode ser causado pelo uso de medicamentos como anti-hipertensivos, à base de alodipina, anticonvulsivantes, à base de hidantoína, e aparelhos fixos associados com uma má escovação. A recessão ou retração gengival é a mudança da posição da gengiva com o aparecimento da raiz do dente, que se torna mais longo e sensível. Essa situação pode acontecer por causa de uma escovação traumática forte, má-oclusão, quando a mordida é sobrecarregada no dente com recessão, bruxismo e doença periodontal.

Para este tipo de correção, então o enxerto gengival pode ser indicado. O tecido utilizado é retirado da mucosa do céu da boca (palato). A cirurgia é contra-indicada para pacientes que possuam problemas cardiovasculares sem tratamento, doença periodontal ativa, problemas sanguíneos bem como câncer de boca.

Copyright ImplArt Odontologia 2009 - 2020

CRO-SP 9993 

 

R. Cincinato Braga, 37 - conj. 112

Bela Vista - São Paulo-SP - Brasil

CEP 01333-011