Skip to main content

Alternativas ao enxerto ósseo dentário

O enxerto ósseo dentário é um assunto que costuma gerar muitas dúvidas e até medo nos pacientes. Trata-se de uma técnica indicada para reconstruir estruturas ósseas da mandíbula e maxilar quando em pacientes que apresentam pouco volume o defeitos, principalmente naqueles que desejam colocar implantes dentários.

Implante sem enxerto ósseo dentário: há alternativas?

Entretanto todo paciente é avaliado individualmente. E hoje em dia temos novas técnicas para enxerto ósseo. De fato, para alguns a indicação do enxerto ósseo acaba sendo inevitável, já para outros, os existem alternativas ao enxerto, tais como:

  • Implantes curtos (pouco volume ósseo vertical)
  • Pinos de diâmetro reduzido (pouco volume ósseo horizontal)
  • Implantes de titânio reforçado Roxolid Straumann (reduzidos e mais resistentes)
  • Implante + enxerto simultâneo
  • Microenxertos ósseos ou pequenos enxertos
  • Técnica “all on four” para arcada total
  • Implantes inclinados
  • Implante zigomático
  • Cirurgias guiadas com implantes curtos ou inclinados
Enxerto curto e estreito podem ser uma alternativa as técnicas de enxerto ósseo dentário
Enxerto curto e estreito podem ser uma alternativa as técnicas de enxerto ósseo

Enxertos ósseos pequenos ou microenxertos são alternativas aos enxertos ósseos

A ImplArt Odontologia tem a filosofia de evitar ao máximo os enxertos ósseos e domina técnicas alternativas para evitar sempre que possível sua utilização. Ao evitar enxerto ósseo dentário, o tratamento se torna mais rápido e paciente passa por menos etapas cirúrgicas. Entretanto hoje em dia os enxertos ósseos são pequenos e bem restritos ao local do implante. Antigamente se faziam grandes enxertos somente.

Por isso a técnica de microenxertos é melhor e tem um pós operatório com menos dor. Implantes Dentários sem enxerto antes e depois O Dr. Roberto Markarian, coordenador da clínica, é um experiente especialista em implantes dentários com mais milhares implantes instalados, e casos de antes e depois de implantes.

Leia mais: implantes imediatos

Em virtude de grande experiência clínica e cirúrgica, a ImplArt já conseguiu atender inúmeros casos sem enxerto ósseo – que eventualmente haviam recebido indicação de enxertos ósseos por outros especialistas. A indicação das técnicas depende de um exame minucioso do paciente, bem como de seus exames, como tomografia computadorizada e radiografias.

Se possui-los, compareça a sua consulta de avaliação com todos os seus exames. Caso não os tenha, para sua comodidade eles poderão ser realizados em nosso centro radiológico digital dentro da clínica (custo a parte).

Biomateriais para enxerto ósseo – como funciona ?

Biomateriais para Enxerto ósseo como funciona

Os biomateriais para enxerto ósseo é uma técnica indicada para reconstituir uma estrutura óssea que seja suficiente para a colocação de implantes dentários. A falta de volume ou outros defeitos ósseos são comuns em pessoas que estão sem dentes há muito tempo (reabsorção óssea) ou que sofreram algum tipo impacto no tecido ósseo. Dessa forma, os ossos da região ficam com menos espessura e altura e pode ocorrer o aumento do tamanho do seio maxilar. Isso a princípio impede a colocação imediata de implante.

Biomateriais para enxerto do maxilar com pouco osso

O dentista possui diversas opções de materiais e de biomateriais para realizar a cirurgia de enxerto ósseo. A decisão será tomada a partir de uma avaliação criteriosa do paciente, levando em conta a estrutura dentária do paciente, a quantidade de biomateriais para enxerto necessário e os resultados que podem ser obtidos. Para pequenas reconstruções ósseas, o dentista pode utilizar material ósseo com materiais sintéticos que já vem prontos para o uso e simplificam a cirurgia.

biomateriais para enxerto

Como é feito o enxerto ósseo dentário do seio maxilar

O procedimento é realizado no próprio consultório odontológico com anestesia local. Antigamente, para grandes reconstruções, o osso pode era retirado da bacia (ilíaco) ou então da calota craniana (parietal).

Então, o procedimento de enxertia era muito grande e realizado em ambiente hospitalar sob anestesia geral por equipe multidisciplinar odontológica e médica. Porém Hoje em dia é possível realizar enxertos ósseos muito menores e simples, que são a cada dia menos invasivos.

Também é possível utilizar enxertos com materiais derivados de animais – xenógeno (osso liofilizado bovino / genox, Bioss, Botis, Straumann), de bancos de ossos humanos (transplante ósseo humano – alogênicos) ou usar materiais vítreos sintéticos e precursor ósseo (hidroxiapatita sintética).

Entretanto, o mais indicado é o enxerto da própria pessoa (osso autógeno). O enxerto ósseo pode ser realizado em fragmentos ou em bloco, de acordo com a necessidade e indicação específica.

Características Essenciais de Biomateriais para Enxerto Ósseo em Odontologia:

  1. Biocompatibilidade:
    • O biomaterial deve ser biocompatível, ou seja, não desencadear reações adversas no organismo.
    • A capacidade de integrar-se harmoniosamente com os tecidos circundantes é crucial para promover uma resposta biológica favorável.
  2. Osteocondutividade:
    • A osteocondutividade refere-se à capacidade do biomaterial de fornecer um suporte tridimensional que estimule o crescimento ósseo.
    • A estrutura porosa do material deve mimetizar a arquitetura do osso, facilitando a migração e proliferação de células ósseas.
  3. Osteoindutividade:
    • Biomateriais osteoindutivos possuem a capacidade de induzir a diferenciação de células precursoras em células ósseas maduras.
    • Essa característica é crucial para acelerar o processo de formação óssea, especialmente em áreas onde a regeneração é desafiadora.
  4. Estabilidade Dimensional:
    • A estabilidade dimensional é essencial para garantir que o biomaterial mantenha sua forma e integridade durante o processo de cicatrização.
    • Isso assegura uma regeneração óssea previsível e eficaz, evitando complicações associadas à perda de volume.
  5. Degradabilidade Controlada:
    • Biomateriais que apresentam degradação controlada garantem uma liberação gradual de íons e componentes bioativos, promovendo a remodelação óssea.
    • A taxa de degradação deve ser ajustada para coincidir com o ritmo de formação óssea, evitando complicações como a reabsorção prematura.
  6. Facilidade de Manipulação Cirúrgica:
    • A praticidade na manipulação cirúrgica é uma consideração importante.
    • Biomateriais devem permitir uma aplicação precisa e adaptar-se às diferentes formas anatômicas, facilitando o trabalho do cirurgião.
  7. Impermeabilidade a Fluidos:
    • A impermeabilidade a fluidos é vital para proteger o biomaterial contra a invasão de microorganismos e evitar infecções no local do enxerto.
    • Essa característica contribui para um ambiente de cicatrização óssea mais seguro.
  8. Compatibilidade Radiográfica:
    • Biomateriais compatíveis com técnicas radiográficas facilitam o acompanhamento pós-operatório.
    • A visualização clara do enxerto em exames radiográficos é fundamental para avaliar a eficácia do tratamento e monitorar a regeneração óssea ao longo do tempo.

Ao selecionar biomateriais com essas características, os profissionais de odontologia podem otimizar os resultados de enxertos ósseos, promovendo uma regeneração eficaz e sustentável em procedimentos odontológicos.